MARCO DE TOUROS SAI DO FORTE DOS REIS MAGOS PARA O MUSEU CÂMARA CASCUDO


MARCO DE TOUROS SAI DO FORTE DOS REIS MAGOS PARA O MUSEU CÂMARA CASCUDO

29/01/2021  Costa das Dunas  1833


http://blog.tribunadonorte.com.br/eturismo

Uma história de quase 520 anos ganha mais um capítulo. O Marco de Touros está de casa nova e poderá ser visitado novamente pela população. Na semana passada, técnicos do Museu Câmara Cascudo e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) concluíram a transferência do monumento histórico para uma sala no Museu onde ele deverá ser limpo, restaurado e exposto à população. Desde 2018, o público não tinha acesso ao patrimônio, que estava abrigado no Forte dos Reis Magos, que está fechado para reformas.

A transferência envolveu dezenas de profissionais do MCC, IPHAN, além do setor de transportes da UFRN e da empresa de engenharia responsável pela reforma do Forte dos Reis Magos. O marco de pedra foi embalado e revestido com isopor EPS e foi colocado em uma caixa de madeira especialmente construída com travas para impedir a movimentação do material durante o transporte. Todo o processo seguiu as regras definidas pelo IPHAN para garantir a integridade do monumento histórico.

Agora, o Marco de Touros está instalado em uma sala do MCC preparada especificamente para abrigar todo o trabalho de manutenção do monumento, além de uma exposição arqueológica. A ideia, segundo o diretor do museu, é que os visitantes possam acompanhar esse trabalho de perto. “É uma atração para o público, assim como acontece em grandes museus, onde o público pode acompanhar o processo de restauração de obras importantes”, explica Everardo Ramos, diretor do Museu Câmara Cascudo.

Marco quinhentista

O marco de pedra é o monumento histórico mais antigo registrado no estado e teria sido instalado pelos portugueses na costa do Rio Grande do Norte no dia 7 de agosto de 1501 – o que também o tornaria o mais antigo marco da chegada dos portugueses ao país, segundo Luis da Câmara Cascudo. O Marco Quinhentista – como também é conhecido pelos estudiosos – foi tombado pelo processo número 680 em 1962 com o objetivo de perpetuar a memória dos brasileiros sobre “o primeiro ponto da costa brasileira delimitado pelos portugueses”.

Feito de mármore, o Marco de Touros tem 1,2 metros de altura, 30 centímetros de largura e 20 centímetros de espessura. Na parte da frente, há uma cruz e um escudo em alto relevo. A peça também tem uma marca de fratura e que pode ter sido remendada com argamassa, além de várias marcas de lascas e esfoliações. É que a população da Praia do Marco, então no município de Touros, acreditava que a coluna de pedra tinha propriedades milagrosas e usava pedaços de mármore para fazer chás “milagrosos”.

Foi preciso chamar a polícia para que o pesquisador Oswaldo de Souza pudesse tocar no monumento, que depois foi trocado por uma imagem de Nossa Senhora dos Navegantes para ornamentar a capela construída à beira-mar. Para historiadores e turismólogos potiguares, a praia pode ter sido o local da chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral às terras do continente americano.

Restauração e pesquisa

Enquanto não se chegam a respostas definitivas sobre a chegada dos portugueses ao Brasil, o Marco de Touros pode trazer contribuições importantes para a historiografia nacional e trazer questões importantes sobre a chegada dos portugueses, as navegações e os primeiros contatos entre os europeus e os povos originários do território brasileiro. Esses e outros temas devem ser abordados nos trabalhos de pesquisa que serão realizados no monumento arqueológico a partir de agora.

Segundo o superintendente do IPHAN no RN, Jorge Cláudio Machado da Silva, o Marco de Touros deve permanecer no museu por longo período. “O marco é um bem arqueológico e a legislação preconiza que ele esteja em uma instituição de guarda”, explicou Silva.

O Museu Câmara Cascudo, porém, segue fechado por causa das medidas de combate ao coronavírus. Ainda não há prazo para a abertura da exposição.

Fonte: https://bit.ly/39tHnQ5